domingo, 11 de julho de 2010

Avanço da Cosmetologia para as manchas.

Cada vez mais a Cosmetologia avança em relação à ativos despigmentantes eficientes para clarear manchas causadas pelo Sol, sardas e até marcas provocadas por alterações hormonais, que são difíceis de apagar.

Vários são os fatores que levam ao aparecimento de desordens de pigmentação, tais como: contraceptivos, gravidez, menopausa, exposição repetida ao sol e reações irritativas ou inflamatórias.

Os princípios ativos despigmentantes ou clareadores são definidos como substâncias utilizadas em preparações tópicas, em farmácia de manipulação ou industrializados, que interferem diretamente na síntese da produção de melanina, que é a substância responsável pela coloração da nossa pele. Os ativos despigmentantes podem estar presentes em cremes, pomadas, géis e loções.

O mercado de tratamentos despigmentantes é dominado por medicamentos à base principalmente de hidroquinona. Embora a hidroquinona esteja sendo usada há muito tempo, progressivamente ela vem sendo substituída por outros compostos que são menos irritantes (ela é proibida em alguns países, como África do Sul e Tailândia). Outro inconveniente de sua utilização é a instabilidade química, pois hidroquinona facilmente se oxida quando exposta à luz e na presença de oxigênio, ficando de cor marrom-escuro. O uso da hidroquinona foi permitido par fabricação de produtos de ação clareadora na concentração máxima de 2%.

A grande tendência do mercado é a substituição da hidroquinona por associações de ativos de origem natural que ofereçam menos efeitos adversos à pele, como a vermelhidão, e que complete ás várias causas da hiperpigmentação.


As principais substâncias despigmentantes são:

Hidroquinona – agente despigmentante. Porém possui a desvantagem de deixar a pele vermelha.
Alpha Arbutin – ativo natural bastante conhecido por inibir diretamente a síntese de melanina.
Àcido glicólico – promove uma leve esfoliação da camada superficial da pele e acelera a renovação celular, deixando a pele mais lisa e uniforme.
Ácido kójico – agente despigmentante de origem natural. Ele atua de diferentes modos de inibição e redução interferindo na biossíntese da melanina. Diferente da hidroquinona, ele não é fotossensível e também não causa alergias.
Ácido salicílico - provoca uma esfoliação que vai de superficial a média. Perfeito para se eliminar manchas e melhorar a textura da pele.
Extrato de uva ursi – produz clareamento da pele.
Vitamina C – efeito antioxidante, penetra na pele facilmente e promove o clareamento de manchas.
Vitamina B3 – utilizada como auxiliadora no tratamento de manchas.
Extrato de Phisalys angulata – diminui a síntese se melanina, promovendo a uniformidade do tom da pele.
Extrato de Palmaria palmata – age sobre as várias etapas envolvidas no processo de pigmentação da pele. È obtido da alga vermelha chamada Palmaria palmata.
Extrato de Licorice – potente ação clareadora por impedir a síntese de melanina.

Alguns produtos encontrado no mercado são:

1. Skin Plus Fluido Clareador, Dermatus. Sua fórmula possui vários extratos para clarear os pontos escuros.

2. Clariderm, Stiefel. A hidroquinona, o propilenoglicol e o ácido cítrico ajudam a clarear manchas escuras e melhorar a textura da pele.

3. Serum No-Dark, Valmari. Contém flor de lótus e extrato de uva ursi, que produz um clareamento progressivo da pele. Deve ser usado à noite, após esfoliação.

4. Soft Peel, Cosmoderm, Prolife. Possui ácido salicílico e lático, importantes agentes que auxiliam no clareamento da pele. A uréia contribui para a recomposição do manto hidrolipídico.

5. Biomedic Pigment Control, La Roche-Posay. Sua fórmula possui ácido salicílico, ácido glicólico e ácido Kójico que atuam no clareamento da pele.

6. Chronos Pharma, Natura. Possui Vitamina C e ativos naturais em uma formulação que permite maior permeação na pele.

7. Melan Off, Adcos. Formulado com combinação de ativos como ácido ascórbico (Vitamina C), ácido kójico, alfa arbutin que agem em diferentes aspectos para uma ação em prol do clareamento uniforme.

No Brasil, os clareadores de pele são produtos cujas características exigem comprovação de segurança, eficácia, bem como informações e cuidados, modo de restrição de uso.

De acordo com a legislação, o termo “mancha” não poderá ser utilizado nos rótulos de produtos cosméticos pois pode induzir o consumidor a utilizar o produto sobre qualquer tipo de mancha, incluindo as pré-tumorais e as tumorais.

O consumidor, antes de fazer uso de produtos para mancha, deve ter o conhecimento do diagnóstico clínico da mancha, e isso ocorre através de uma consulta com o dermatologista.

Para saber mais sobre manchas e como identificá-las leia: Manchas, fique de olho!

Farm. Genaine Ferreira
Fonte: Revista Cosmetics & Toiletries - Manchas no Alvo- mai/jun 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário